Diário de um fumador

Apenas o desespero na forma de palavras

2 de março de 2008

1º cigarro

A minha ausência por estes lados deve-se a tantos factores que nenhum deles é desculpa para não ter escrito. Por isso mesmo, faço de contas que escrevi ontem e que este diário é mesmo um diário.



Este fim-de-semana, por força de ser membro da FNA (os tais QUASE sempre alerta), participei numa actividade do 604 e dei por mim no local onde fumei o primeiro cigarro. Já lá vão quase 20 anos e recordo-me, não como se fosse ontem, mas como se fosse há 19 anos e meio.



Era uma manhã de férias (não sei se Grandes se de Páscoa). Eu e o meu irmão (penso que sabem quem é) combinámos com os nossos primos Fontes (Paulo) e Sónia ir até ao Pinheiro Manso, porque eles até tinham arranjado umas barbas de milho... para experimentar como se fumava, diziam. Assim foi. A meio da manhã, lá estávamos nós os quatro, à sombra do Pinheiro Manso, a fumar Barbas de Milho envolto em papel de carta. Aliás, o meu primo Fontes não quis fumar aquilo. Tinha roubado um cigarro verdadeiro à mãe. Um SG Gigante. Acendeu-o e perguntou quem queria experimentar. Todos experimentámos. Todos gostámos.

Está-se mesmo a ver! Depois de Barbas de Milho, qualquer cigarro é bom.

Assim foi!





Depois disso, muitos cigarros se seguiram, até deixar de fumar... para recomeçar aos 18 anos... para deixar outra vez aos 29.

2 comentários:

Anónimo disse...

Mónica, onde andas?
Estás doente?

monica disse...

ola setor
fogo quando vi o titulo do post pensei que tinha fumado... mas ainda bem que não foi.
espero que tenha passado um bom fim-de-semana.
"para deixar outra vez aos 29". e espero que seja mesmo deixar de vez.
bjs

Reduzido a cinza

A minha foto
Canas de Senhorim, Viseu, Portugal
À espera de palavras...