Diário de um fumador

Apenas o desespero na forma de palavras

30 de janeiro de 2008

30º dia sem fumo azulado

Depois da primeira experiência, falhada, com a gaita-de-foles, volto à angústia da escrita.
Não estou a conseguir escrever o artigo e é já para entregar dia 8 de Fevereiro. Como vem aí o Carnaval, esperava escrevê-lo até amanhã... mas não sei se vou conseguir.

Só me consigo lembrar do cigarro a adormecer no cinzeiro, a fazer-me companhia.
Sinto falta do fumo azulado...

8 comentários:

MARTINHA disse...

Venho estrear este blogue precisamente no 30º dia...fantástico...

O fumo só por si não vale nada, o tabaco só tem sentido se partilhado...

Rui disse...

Olá Martinha!
Estranha teoria!
Queres dizer que só vale a pena fumar se o nosso fumo incomodar os outros?
Serás contra a lei do tabaco, certamente!

Beco Escuro disse...

Não é o tabaco que só tem sentido partilhado...
É mais o pôrro!!!

Cumorimentos
Beco

MONICA disse...

O SETOR É UM VENCEDOR

Vencer os outros
não chega a ser
uma grande vitória.
Vitorioso
é aquele que consegue
vencer a si mesmo,
combatendo seus vícios
e controlando suas paixões.
A vitória sobre nós mesmos
é muito mais difícil.
Ela requer mais coragem
mais disciplina e mais decisão.
Se você
não conseguir na primeira vez
tente de novo.
O simples fato de tentar de novo
já será sua primeira vitória.
Po isso sem duvida nenhuma que o setor é um vencedor.
desejo que a sua batalha contra o tabaco seja so vitorias,

Rui disse...

Olá Mónica,
Identifiquei-me bastante com as essas palavras. Tanto que fiquei sem saber o que responder.
Sempre soube que controlar as paixões custa muito.
Agora estou a compreender o que custa combater os vícios.
Obrigado pelo apoio!

Rui disse...

Não poderia deixar de mandar cumprimentos ao meu amigo Beco Escuro, que, finalmente, resolveu dar o "ar da sua graça".
Bem vindo!

PortugaSuave disse...

Vim encaminhado pelo Beco Escuro, ou terá sido pelo Segunda, se calhar foi o Tomahock ou o Farpas, olha já não sei. O que sei é que recuperei as folhas antigas deste diário e gostei. Digo antigas porque consigo imaginar o que é passar 30 dias sem fumar. O tempo deve custar a passar, os dias são mais longos e as noites provavelmente intermináveis. Portanto, 30 dias serão uma eternidade.
Sou fumador, profissional, daqueles que fumam dois maços por dia e mais um à noite, se esta se proporcionar. Eu sei que é um horror mas a dependência é de tal ordem que deixar de fumar é um projecto permanentemente adiado. Mas não é para me lamentar que decidi escrever este comentário, nem tão pouco para a conversinha lamecha de apoio ou comiseração pela sua luta. Escrevo este comentário porque, independentemente do objectivo, as palavras com que des(alimenta) o vício são agradáveis de ler, as suas reflexões curiosas, e o relato daquilo que poderia ser angustiante torna-se quase aprazível.
É a vantagem de quem sabe e de quem gosta de escrever. Pode sempre alimentar o vício com palavras :)

Rui disse...

portugasuave,
Por vezes, custa tanto não fumar como escrever sobre isso. As palavras que encontro são sempre as mesmas, monotonamente repetidas. Angústia, mágoa, incerteza, solidão... são sentimentos aos quais me habituei desde que deixei de fumar. Contudo, estranhamente, a ansiedade de que me falaram nunca se vincou em mim. Calmamente, vou passando os dias, umas vezes inspirado outras nem por isso.
30 dias custaram a passar, de facto. Mas a verdade é que passaram mesmo, 30 já la vão e o meu pensamento aponta para os outros 30 que se aproximam.
Estou contente com o meu caminho, pode ser que inspire outros a fazer o mesmo. Que te inspire a fazer o mesmo.Porque o vício da nicotina é mesmo maldito.
Abraço

Reduzido a cinza

A minha foto
Canas de Senhorim, Viseu, Portugal
À espera de palavras...